Home Jurídico Convenções Legislação Parceiros Links Emissão de Guias
(51) 3276-2355
secretaria@sindicreches.com.br
Artigos
22-03-2018
Reunião na prefeitura de PoA 21/03/2018
Prezadas(os) associados e representados,
No dia 21/03/2018 às 10h00 o SINDICRECHES na figura de seus representantes Carina Becker Köche (Presidente), Maria Inês Spolidoro e Susana Fogliatto (Diretoras), Dra. Aline Hauser (Assessora Jurídica) e Vanderlei de Souza (Secretário)...
Leia mais
Reunião 21/03/2018 na prefeitura

18-05-2018
Reunião na prefeitura de PoA 17/05/2018 - 2º Encontro
Reunião na prefeitura de PoA 17/05/2018 - 2º Encontro
 
Prezados(as) associados (as) e representados (as),
No dia 17/05/2018 às 11h00 o SINDICRECHES na figura de seus representantes Carina Becker Köche (Presidente), Susana Fogliatto (Diretora), Dra. Aline Hauser (Assessora Jurídica) e Vanderlei de Souza (Secretário),
Leia mais

06-10-2011
Educação Infantil.. o avanço através do tempo

Artigo redigido pela Vice Presidente Srª Susana Fogliatto, sobre a origem e a evolução da Educação Infantil no Brasil e no Mundo

 
Leia mais

29-09-2011
A troca de Fraldas e a insalubridade

Artigo redigido pelo Eng. Cézar Orlandi sobre troca de fraldas x insalubridade.

Leia mais

24-06-2014
Prazo para pagamento de verbas rescisórias

PRAZO PARA PAGAMENTO DAS VERBAS RESCISÓRIAS E HOMOLOGAÇÃO DA RESCISÃO NO SINDICATO DE EMPREGADOS: INTERPRETAÇÃO AOS TERMOS DO ARTIGO 477 DA CLT E SEUS PARÁGRAFOS CONFERIDA PELO SINTAE SE REVELA ABUSIVA E SEM SUPORTE JURÍDICO OU LEGAL

 

 

                 A assessoria jurídica do SINDICRECHES recebeu diversas consultas em relação ao procedimento adotado pelo SINTAE-RS no sentido de cobrar a multa prevista no § 8° do artigo 477 da CLT daquelas escolas que realizam a homologação da rescisão em dita entidade depois da data prevista em lei para pagamento das verbas rescisórias.

 

               Esclarecemos, pois, que no nosso entender, o procedimento adotado pelo SINTAE carece de suporte jurídico ou legal, se revelando abusivo.

 

              Observe-se que, ainda que o § 4° do artigo 477 da CLT mencione que o pagamento das verbas rescisórias deve ocorrer no momento da homologação, a multa prevista no § 8° menciona os prazos constantes no § 6°, que tratam do pagamento das verbas rescisórias e não da homologação.

 

                Este, inclusive é o entendimento majoritário de nossos Tribunais a respeito do tema, conforme decisões que transcrevo abaixo:

 

TST - RECURSO DE REVISTA RR 1517004420085010081 151700-44.2008.5.01.0081 (TST)

Data de publicação: 01/07/2011

Ementa: RECURSO DE REVISTA. MULTA PREVISTA NO ARTIGO 477 , § 8º , DA CLT . DESCABIMENTO. QUITAÇÃO DAS PARCELAS RESCISÓRIAS NO PRAZO LEGAL. Por ausência de previsão legal, a homologação da rescisão contratual sem a observância do prazo estabelecido no art. 477 , § 6º , da CLT não se constitui em circunstância ensejadora da condenação do empregador ao pagamento da multa prevista no art. 477 , § 8º , da CLT , devida para o caso de descumprimento do prazo legal para a quitação das parcelas rescisórias incontroversas. Precedentes. Recurso de revista conhecido e provido

TRT-1 - Recurso Ordinário RO 12358720125010079 RJ (TRT-1)

Data de publicação: 09/10/2013

Ementa: MULTADO ARTIGO 477 DA CLT . DESCABIMENTO. PAGAMENTO NO PRAZO LEGAL. HOMOLOGAÇÃO TARDIA. A multa do art. 477 , § 8o , da CLT , somente é devida quando o pagamento da rescisão se der fora do prazo ali estipulado, não sendo devida na hipótese do pagamento ser feito no prazo e a homologação do distrato ocorrer em data posterior, uma vez que o fato gerador da multa está vinculado, tão somente, ao descumprimento dos prazos citados no § 6º do aludido dispositivo, não importando, para tal, o atraso na homologação da rescisão.

TRT-1 - Recurso Ordinário RO 15926020125010049 RJ (TRT-1)

Data de publicação: 12/09/2013

Ementa: RECURSO ORDINÁRIO. MULTA DO § 8º DO ARTIGO 477 DA CLT . HOMOLOGAÇÃO DO RECIBO DE QUITAÇÃO APÓS O PAGAMENTO DAS VERBAS RESILITÓRIAS. DESCABIMENTO. 1) O fato de o termo de rescisão do contrato de trabalho ter sido homologado após o pagamento das verbas resilitórias não autoriza o pagamento da multa prevista no § 8º do artigo 477 da CLT , eis que tal cominação é dirigida contra o empregador apenas quando este deixa de satisfazer tais parcelas no prazo previsto no § 6º do mesmo dispositivo consolidado. 2) Recurso

ordinário da ré ao qual se concede parcial provimento.

 

                 Abaixo transcrevemos, na íntegra, o artigo 477 da CLT:

Art. 477  – É assegurado a todo empregado, não existindo prazo estipulado para a terminação do respectivo contrato, e quando não haja ele dado motivo para cessação das relações de trabalho, o direito de haver do empregador uma indenização, paga na base da maior remuneração que tenha percebido na mesma empresa.

* Caput com redação determinada pela Lei n° 5.584, de 26 de junho de 1970.

§ 1º  – O pedido de demissão ou recibo de quitação de rescisão do contrato de trabalho, firmado por empregado com mais de 1 (um) ano de serviço, só será válido quando feito com a assistência do respectivo Sindicato ou perante a autoridade do Ministériodo Trabalho.

** § 1° com redação determinada pela Lei n° 5.584 de junho de 1970.

§ 2º  – O instrumento de rescisão ou recibo de quitação, qualquer que seja a causa ou forma de dissolução do contrato, deve ter especificada a natureza de cada parcela pagaao empregado e discriminado o seu valor, sendo válida a quitação, apenas, relativamente às mesmas parcelas.

** § 2° com redação determinada pela Lei n° 5.584 de junho de 1970.

§ 3º  – Quando não existir na localidade nenhum dos órgãos previstos neste artigo, a assistência será prestada pelo representante do Ministério Públicoou, onde houver, pelo Defensor Público e, na falta ou impedimento destes, pelo Juiz de Paz.

** § 3° com redação determinada pela Lei n° 5.584 de junho de 1970.

 

§ 4º  – O pagamentoa que fizer jus o empregado será efetuado no ato da homologação da rescisão do contrato de trabalho, em dinheiro ou em cheque visado, conforme acordem as partes, salvo se o empregado for analfabeto, quando o pagamento somente poderá ser feito em dinheiro.

** § 4° com redação determinada pela Lei n° 5.584 de junho de 1970.

 

§ 5º– Qualquer compensação no pagamento de que trata o parágrafo anterior não poderá exceder o equivalente a 1 (um) mês de remuneração do empregado.

** § 4° com redação determinada pela Lei n° 5.584 de junho de 1970.

 

§ 6º– O pagamento das parcelas constantes do instrumento de rescisão ou recibo de quitação deverá ser efetuado nos seguintes prazos:

       a) até o primeiro dia útil imediato ao término do contrato; ou

b) até o décimo dia, contado da data da notificação da demissão, quando da ausência do aviso prévio, indenização do mesmo ou dispensa de seu cumprimento.

** § 6° acrescentado pela Lei n° 7.855, de 24 de outubro de 1989.

 

§ 7º– O ato da assistência na rescisão contratual (§§ 1º e 2º) será sem ônus para o trabalhador e empregador.

** § 7 acrescentado pela Lei n° 7.855, de 24 de outubro de 1989.

 

§ 8º– A inobservância do disposto no § 6º deste artigo sujeitará o infrator à multa de 160 BTN, por trabalhador, bem assim ao pagamento da multa a favor do empregado, em valor equivalente ao seu salário, devidamente corrigido pelo índice de variação do BTN, salvo quando, comprovadamente, o trabalhador der causa à mora.

** § 8 acrescentado pela Lei n° 7.855, de 24 de outubro de 1989.

 

                   Destacamos, por oportuno, que a estipulação de que a homologação da rescisão deve ser realizada dentro do prazo para pagamento das verbas rescisórias, sob pena de multa, consta da pauta de reivindicações do SINTAE, cláusula esta que o SINDICRECHES não aceitou incluir em nossa convenção até o presente momento.

           

                       Enfim, entendemos extensiva e equivocada a interpretação conferida ao SINTAE em relação aos preceitos legais a respeito do tema, não merecendo, assim, observância por parte das escolas representadas pelo SINDICRECHES-RS.

 

Este é o nosso parecer.

Márcia de Barros Alves Vieira – Assessora Jurídica SINDICRECHES-RS

Leia mais

29-09-2011
Artigo sobre Medicina do Trabalho

Entrevista concedida ao informativo Sindiatacadista das Médicas especialistas em Medicina do Trabalho Dra. Betina Mühlen Hodara e Dra. Cláudia Scheibe de Souza Leão em março deste ano.

A HL - Hodara & Leão Saúde Ocupacional S/S Ltda,  CNPJ 06.209.933/0001-70, com sede em Porto Alegre, na rua Otávio Rocha, 115 conjunto 909 e 910,  a presta serviços na área de saúde Ocupacional 

Leia mais

11-11-2011
BIG BROTHER NA EDUCAÇÃO INFANTIL: É BOM PARA QUEM?

Texto redigido pela Professora Maria Inês Spolidoro Oliveira Diretora Pedagógica Escola Meladinho e membro do Conselho Fiscal desta Diretoria.

 

Leia mais
 
Últimas noticias
16/05/2019
NEGOCIAÇÕES COLETIVAS 2019/2020
Leia mais
 
28/03/2019
Prezados(as) fiquem atentos(as),
Leia mais
 
 
Últimos artigos
18/05/2018
Reunião na prefeitura de PoA 17/05/2018 - 2º Encontro
Leia mais
 
22/03/2018
Reunião na prefeitura de PoA 21/03/2018
Leia mais
 
 
Próximos eventos
Aguarde publicação.